banner01

As vacinas são eficazes contra a variante Delta do coronavírus? Veja o que diz a ciência

Desde que foi detectada pela primeira vez no Brasil, em junho de 2021, a variante delta vem causando preocupação por conta de ser altamente contagiosa, e por ter causado uma reversão na tendência de arrefecimento da pandemia em outros países, como Estados Unidos e Canadá.

Hoje, 17 de setembro de 2021, temos 67,8% dos brasileiros com ao menos 1 dose e 36,5% da população totalmente vacinada, segundo o Consórcio formado pelos veículos de imprensa Folha de São Paulo, UOL, O Estado de São Paulo, Extra e o Globo. (disponível em . Afinal, devemos nos preocupar com a variante Delta? O Blog da Amparo Saúde vai responder às principais perguntas sobre essa variante.

O que é a variante delta?

Segundo a Fundação Oswaldo Cruz, a variante Delta é uma variante do SarsCov-19, vírus causador da Covid-19, identificada pela primeira vez na Índia em outubro de 2020 e que se espalhou rapidamente pelo mundo.

A variante delta é mais contagiosa?

Sim, segundo o CDC (Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos), a variante delta é 2 vezes mais contagiosa que as variantes anteriores, sendo comparada ao sarampo ou catapora em capacidade de contágio.

A variante delta causa casos mais graves?

Ainda segundo o órgão de saúde americano, alguns estudos sugerem que pessoas infectadas por essa variante têm uma chance maior de serem hospitalizadas quando comparadas à variante Alfa ou ao SarsCov-19 original.

Contudo, é importante reiterar que que a grande maioria das mortes acontecem em pessoas não vacinadas. Por isso, não deixe de se vacinar!

Quais são os sintomas da Covid-19 causada pela variante delta?

Assim como os sintomas da Covid-19 causada pelas outras variantes, os sintomas da delta são muito parecidos com um resfriado comum: tosse, obstrução nasal, coriza, perda de apetite, dor de cabeça e dor de garganta.

Algumas pessoas não apresentam sintomas, mas, mesmo assim, transmitem o vírus.

Leia também: Consulta por Telemedicina é mais "fria"? Confira mitos e verdades sobre essa nova modalidade de saúde. 

As vacinas ainda são eficazes contra a variante delta?

Sim, por enquanto, não há motivo para se preocupar. As vacinas disponíveis para a Covid-19 são altamente eficazes na prevenção de casos graves e mortes, incluindo a variante Delta.

Pessoas totalmente vacinadas ainda poderão se infectar e ficar doentes, pois nenhuma doença é 100% eficaz, porém, as chances de casos graves e, principalmente, morte são pequenas.

Para que você fique mais tranquila(o), vamos mostrar as taxas de eficácia das principais vacinas aplicadas no Brasil contra a variante Delta.

  • Oxford Astrazeneca: 92% na prevenção de hospitalizações, após 2 doses e 69% na prevenção de infecções.

Fonte: Public Health England (PHE) 

  • Coronavac: após 2 doses, segundo o Instituto Butantan, a vacina tem uma eficácia de 69,5% na prevenção de pneumonias, o agravamento mais perigoso da Covid-19.

Além disso, a vacina do Butantan também previne 100% das hospitalizações e entre 69% e 77% de casos graves.

  • Jansen/Johnson&Johnson: segundo o fabricante taxa de eficácia de 71% na prevenção de hospitalizações e mais de 95% das mortes.

FonteJohnson & Johnson:  

  • Pfizer: taxa de eficácia de 96% na prevenção de hospitalizações.

Fonte: Public Health England (PHE)

Clique aqui para receber dicas de saúde direto no seu e-mail

Como posso me proteger da variante Delta?

Segundo o UNICEF, ligado à Organização das Nações Unidas, os meios de se proteger conta a variante delta são os mesmos das outras variantes.  Lembrando que mesmo pessoas 100% imunizadas com as duas doses dos imunizantes ou com a dose única da vacina Jansen devem continuar se protegendo. 

Vamos às orientações:

  • Evite aglomerações: ambientes com muitas pessoas em um espaço pequeno são muito perigosos e facilitam o contágio pelo SarsCov. Como a variante delta é mais contagiosa, esses cuidados devem ser redobrados.
  • Mantenha os ambientes arejados: os vírus, no geral, adoram ambientes fechados e com pouca ventilação. Por isso, abra as janelas dos ambientes e deixe o ar circular. 
  • Use máscara: esse é um dos melhores jeitos de se proteger contra a Covid-19. Clique aqui e leia o artigo "Existem máscaras de proteção mais seguras?"
  • Lave as mãos ou use álcool em gel: higienize suas mãos sempre que possível. Mantenha esse hábito na sua rotina mesmo após ter sido vacinada(o)
  • Tome vacina: esse é o jeito mais eficaz de acabarmos com a pandemia da Covid-19. Como já dito anteriormente, todas as vacinas disponíveis no Brasil são seguras e eficazes contra a variante dela e outras variantes.

Segundo o Yale Medicine, periódico da Universidade de Yale nos Estados Unidos, uma das mais importantes e conceituadas no mundo, ainda temos muito o que aprender sobre a variante delta e sobre a Covid-19. Por isso, continue se protegendo! 

Não vá embora! A informação é a nossa maior arma contra o vírus! Confira os artigos que separamos especialmente para você.

Depressão tem tratamento. Saiba mais sobre essa doença. 

Infarto: entenda os sinais que seu corpo dá antes de um ataque cardíaco. Clique aqui.

Teste de gravidez caseiro funciona? Confira essa e outras dúvidas. Clique aqui.

AIDS/HIV: O que é PrEP e porque ela salva milhares de vidas. Clique aqui.

Clique aqui para receber dicas de saúde direto no seu e-mail