banner01

Doenças da Tireoide: saiba as principais causas e tratamento

Mulher negra com a mão no pescoço e expressão preocupada

O que é a tireoide

A tireoide é uma glândula relativamente pequena se comparada aos outros órgãos do corpo humano. Mas engana-se quem pensa que, pelo tamanho, ela tem pouca função. Muito pelo contrário. 

É a tireoide que garante o equilíbrio do organismo e regula a função do coração, do cérebro, do fígado e dos rins, por exemplo. 

Seu funcionamento se dá pela produção de hormônios (os famosos T3 e T4) e ela também recebe comandos da hipófise, uma glândula que fica no cérebro, por meio do hormônio tireoestimulante (o TSH).

Distúrbios mais comuns na tireoide

Localizada no pescoço e com formato parecido com o de uma borboleta, a tireoide também é essencial para o crescimento e desenvolvimento de crianças e adolescentes. Além disso, ela tem grande impacto na regulação dos ciclos menstruais, no peso corporal, no humor e no controle emocional.

Dados da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) estimam que até 12% dos brasileiros - sobretudo, mulheres e pessoas idosas - apresentam distúrbios na tireoide. Apesar de fáceis de diagnosticar, muitas pessoas que têm esse problema nem sabem. Outras sabem, mas não seguem as orientações para o tratamento. 

Outras, ainda, nem o devido acompanhamento para saber como está o funcionamento da glândula fazem. 

Por isso, deixamos aqui o alerta para sempre manter contato com sua equipe de cuidado e com seu médico de família, pois eles atuam na prevenção de doenças e promoção do bem-estar e da qualidade de vida, podendo diagnosticar previamente qualquer alteração no organismo.

Clique aqui para receber dicas de saúde direto no seu e-mail

Quando a tireoide não funciona corretamente, acaba liberando hormônios em excesso (hipertireoidismo) ou em escassez (hipotireoidismo). No hipertireoidismo, o metabolismo acelera e o sintoma mais comum e visível é a perda de peso. 

Para controlar a situação, bastam alguns remédios indicados pelo médico, acompanhados (ou não) de terapias alternativas. Já no hipotireoidismo o que acontece é o contrário: o organismo passa a funcionar em um ritmo muito mais lento, resultando no aumento de peso. Neste caso, o tratamento é contínuo, pelo resto da vida, com reposição hormonal.

O que é a Tireoidite de Hashimoto?

O nome assusta e é um dos termos mais buscados na internet. A tireoidite de Hashimoto é uma doença autoimune que causa a inflamação da glândula. Geralmente inicia com um hipertireoidismo que logo em seguida se transforma em hipotireoidismo. Atinge, em sua maioria, mulheres adultas.

Alguns sintomas mais comuns são o aumento rápido de peso, cansaço excessivo, dificuldade de concentração, queda de cabelo e unhas quebradiças.

Por ter sintomas muito parecidos com os do hipotireoidismo, é importante sempre acompanhar o funcionamento da glândula, pois o diagnóstico não é simples e carece de muitos exames até a detecção, de fato, da inflamação.

Após o diagnóstico, é essencial que o paciente siga as recomendações médicas, pois se a inflamação não for tratada adequadamente, pode gerar outras complicações, como problemas cardíacos, de saúde mental ou, em casos mais extremos, de mixedema, quando o rosto fica inchado.

Câncer na tireoide tem cura?

Outra frase que assusta e que tem uma procura muito grande por respostas. Essa comorbidade é a mais comum na região da cabeça e pescoço e afeta três vezes mais as mulheres do que os homens. Dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) estimam que, em 2020, tenham surgido 13.780 novos casos de câncer de tireoide, sendo cerca de 12 mil em mulheres.

É importante começar do começo: o câncer é a evolução maligna de um nódulo. E menos de 10% dos nódulos são malignos. Por isso é importante fazer o acompanhamento contínuo do funcionamento da glândula.

Quando esses nódulos são descobertos precocemente, o índice de cura passa de 90%.

Clique aqui para receber dicas de saúde direto no seu e-mail

Caso o nódulo seja maligno, o tratamento para câncer de tireoide é sempre cirúrgico, fazendo a remoção total ou parcial da glândula. O tratamento complementar, quando necessário, é feito com iodoterapia, que é a ingestão de iodo radioativo. Radioterapia e quimioterapia quase nunca são utilizadas, salvo raríssimas exceções. 

Para que a tireoide esteja sempre em bom funcionamento, é importante manter o peso corporal adequado, fazer exercícios e manter uma dieta balanceada.