banner01

Anticoncepcional: adesivo, injeção ou pílula? Entenda um pouco mais sobre cada um deles

Os métodos contraceptivos, chamados popularmente apenas de anticoncepcionais, são utilizados por mais da metade das mulheres no mundo todo, seja para prevenir a gestação ou tratar comorbidades. Existem diversas formas de uso e, neste artigo, vamos falar principalmente de três delas: adesivo, injeção e pílula

Mas, antes, é importante lembrar que não se deve fazer o uso de medicamentos sem o aval do seu médico e que o uso de anticoncepcionais são eficazes para prevenir a gravidez indesejada, mas não atuam sobre as doenças sexualmente transmissíveis e o HIV!

Adesivo anticoncepcional 

Semelhante a um curativo quadrado, os adesivos anticoncepcionais funcionam como as pílulas, com a administração dos hormônios estrogênio e progesterona e, segundo a Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) possuem um mecanismo de ação igual ao de todos os anticoncepcionais hormonais combinados: inibir a ovulação.

Eles são indicados para mulheres abaixo de 90kg e que não possuam doenças cardiovasculares e circulatórias, nem doenças do fígado e que também não estejam amamentando ou com suspeita de gravidez.

Os adesivos devem ser fixados na pele, preferencialmente na região dos braços, costas ou parte inferior da barriga, no primeiro dia da menstruação. Após sete dias, o adesivo deve ser trocado.

A ação se repete por três semanas, sendo uma troca a cada sete dias. Após a terceira semana completa de uso, deve-se fazer uma pausa de sete dias na aplicação e, depois desse período, iniciar tudo novamente.

Caso o adesivo solte da pele, basta fixá-lo no mesmo local, mas se já estiver sem cola, o produto deve ser trocado. A contagem de dias de uso segue normalmente, desde que a mulher não fique sem adesivo por até 24h.

Caso passe desse período, um novo adesivo deve ser utilizado pelos próximos sete dias, além de um método contraceptivo alternativo. Nunca tente fixar o adesivo com fitas ou cola. Utilize sempre o produto em sua forma original. E na região em que for aplicá-lo, evite o uso de produtos tópicos, como óleos e cremes. 

Anticoncepcional injetável

Recomendado para quem não pode - ou não quer - fazer o uso diário de anticoncepcional, as injeções intramusculares profundas são aplicadas uma vez por mês ou a cada três meses, conforme prescrição, e têm como base a progesterona ou  a administração de estrogênio e progesterona. 

Assim como qualquer medicação que envolve hormônios sintéticos, a contraindicação se dá para mulheres com risco de trombose, histórico de doenças cardiovasculares e do fígado, além de outras comorbidades que serão avaliadas pelo médico.

Sua aplicação deve ser realizada por um profissional da saúde (médico ginecologista ou farmacêutico) e em até cinco dias após o início do ciclo menstrual.

Clique aqui para receber dicas de saúde direto no seu e-mail

Pílula anticoncepcional

As pílulas anticoncepcionais são o método contraceptivo mais utilizado no mundo. Existem dois tipos de pílulas: as combinadas, compostas de dois hormônios, estrogênio e progesterona, e as monofásicas, só com progesterona. A avaliação do seu médico, combinada com seu quadro clínico, é que vão definir qual das duas será receitada. 

Elas podem ser utilizadas em ciclos de 21 dias, 24 dias ou ininterruptamente, para diferentes finalidades: prevenir gestações indesejadas, regular a menstruação, combater a acne (como no caso da famosa pílula Selene) ou diminuir as cólicas menstruais, por exemplo, mas tudo vai depender da indicação médica. 

Clique aqui e descubra como tratar a acne hormonal.

Para que a pílula tenha o efeito desejado, ela deve ser ingerida todos os dias no mesmo horário. Vez ou outra pode-se tolerar um atraso de até 12h, mas isso não pode acontecer sempre! Se houver dificuldade no cumprimento dessa rotina, o ideal é optar por outros métodos, como os mencionados acima. 

Anticonpecionais-tipos

Outros métodos anticoncepcionais de acordo com Ministério da Saúde são:

  • DIU (dispositivo ultra uterino): um dos métodos mais seguros na contracepção a longo prazo (o DIU pode ser eficaz por até 5 anos) e não causa desconforto na mulher.

Taxa de eficácia dos DIUs de cobre e hormonal: mais de 99%.

Clique aqui e entenda melhor como funcionam os diferentes tipos de DIU.

  • Métodos de percepção da fertilidade: são métodos nos quais a mulher monitora o seu ciclo menstrual na tentativa de não ter relações durante o período fértil.

Segundo a Planned Parenthood (Federação de Paternidade Planejada da América) métodos de percepção da fertilidade são de 76% a 88% eficazes.

Dentre esses métodos estão a tabelinha e o método do muco. 

  • Interrupção da relação: método pouco indicado por médicos por ser ponto eficaz e dar a falsa sensação de segurança. Possui 78% de eficácia.
  • Diafragma: anel flexível de borracha ou silicone que impede a entrada dos espermatozóides no útero.
    Taxa de eficácia quando usado corretamente: 96%.
  • Espermicidas: substâncias químicas que impedem a penetração dos espermatozóides no útero, matando-os ou imobilizando-os.

Pode ser usado sozinho ou junto do diafragma e de outros métodos contraceptivos. Possui uma taxa de eficácia de 72% quando sozinho.

  • Preservativos femininos: dão mais autonomia e independência para a mulher, pois ela não depende do parceiro para evitar a concepção. Como fator contra esses preservativos requerem um pouco mais de prática para serem usados da maneira correta.

Segundo o FDA (Food & Drug Administration dos Estados Unidos), equivalente à ANVISA brasileira, usando corretamente têm 95% de eficácia.

  • Preservativos masculinos: uma das opções mais baratas e acessíveis.

Taxa de eficácia: 98% quando usados corretamente, 86% no uso típico.

  • Métodos permanentes: vasectomia e laqueadura são pequenas cirurgias que bloqueiam os tubos por onde o espermatozoide é transportado dos testículos até o pênis (no caso, da vasectomia) ou impedem que o óvulos chegue até o útero (laqueadura)

Segundo a Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) a taxa de eficácia desses métodos é maior que 99%, com 0,5% de falhas.

Importante: além de evitarem a gravidez não planejada, preservativos masculinos e femininos são métodos mais eficazes na proteção contra Infecções sexuais transmissíveis, como HIV, sífilis e gonorreia. 

Lembrando que existem outros métodos de contracepção e somente seu médico vai poder recomendar o melhor método para você, de acordo com a sua rotina e as suas queixas. 

Na Amparo Saúde, os médicos acompanham os pacientes e resolvem, em média, 90% dos casos sem necessidade de encaminhamento para outro especialista. E o atendimento integral da mulher, presencial ou por telemedicina, observando os fatores de risco, a prevenção de doenças e a promoção do bem-estar e da qualidade de vida, são premissas do Médico de Família. 

Clique aqui para receber dicas de saúde direto no seu e-mail